fbpx

Posso “abrir mão” da pensão alimentícia devida aos meus filhos?

receber pensão alimentícia devida

Inúmeros são os processos de execuções de alimentos envolvendo alimentantes/devedores (quem tem o dever de pagar valor, a título de alimentos, a alguém) e alimentados/credores (quem tem o direito de receber o valor intitulado de alimentos) no Brasil.

Os alimentos, via de regra, são pagos mensalmente pelo alimentante ao alimentado, que, normalmente, é menor de idade ou não possui capacidade legal para firmar recibo de quitação, razão pela qual, alguém que o representa, o faz.

Em algumas situações, o alimentante não consegue pagar vários meses de pensão alimentícia ao alimentado, ficando em débito. Se o débito se referir apenas aos últimos três meses, o alimentante/devedor poderá ter decretada sua prisão civil. Se o débito for anterior aos últimos três meses, a execução prosseguirá com a penhora de bens do devedor.

Desta forma, surge a seguinte questão: Posso “abrir mão” da pensão alimentícia que meus filhos têm direito?

A resposta não é simples. Por se tratar de direito personalíssimo (dos filhos, neste caso exemplificativo) e irrenunciável, em tese, não poderia haver renúncia.

Entretanto, recentemente, o Superior Tribunal de Justiça, decidiu, alicerçado na autonomia das partes para realização de acordo, na autocomposição, equilíbrio e manutenção do vínculo afetivo, que é possível que o alimentado/credor renuncie o crédito alimentar antigo, ou seja, anterior aos últimos três meses, visto que já não é mais indispensável ao seu sustento. A decisão firmou entendimento de que apenas os alimentos presentes e futuros são irrenunciáveis.

A decisão proferida pelo STJ facilitou as transações entre alimentantes e alimentados, mantendo, inclusive, o vínculo afetivo entre as partes envolvidas.

Ressaltamos que, para segurança jurídica, as partes envolvidas na transação devem estar representadas por advogados de confiança.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

bancos digitais

Bancos digitais: solução ou problema?

A era digital está instalada e isso dispensa maiores esclarecimentos. Comércio eletrônico, marketplaces, contratos digitais, blockchain, tudo está “online” e nessa “onda” passaram a proliferar

detetive particular

Lei da Profissão de Detetive Particular

Você já se viu na necessidade de realizar uma investigação particular? Estar na situação de não ter conhecimento técnico para descobrir informações, com recusa de

Envie sua Dúvida

Envie seu Comentário