fbpx

Pensão por morte: você sabe o que é?

A pensão por morte nada mais é, do que um benefício deixado pela pessoa falecida, em favor de seus dependentes e, está prevista na Lei 8.213/1991, em seu artigo 74, conforme abaixo descrito:

“Art. 74. A pensão por morte será devida ao conjunto dos dependentes do segurado que falecer, aposentado ou não, a contar da data:   

I – do óbito, quando requerida em até 180 (cento e oitenta) dias após o óbito, para os filhos menores de 16 (dezesseis) anos, ou em até 90 (noventa) dias após o óbito, para os demais dependentes;

II – do requerimento, quando requerida após o prazo previsto no inciso anterior; 

III – da decisão judicial, no caso de morte presumida.”

Para que os dependentes do (a) falecido (a) possam gozar do benefício pensão por morte é necessário comprovar que há época do óbito o falecido estivesse qualidade de segurado junto ao Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS), ou aquele desaparecido, que tiver sua morte presumida declarada pela justiça.

Ou seja, é necessário que o falecido estivesse filiado ao INSS para realizar os pagamentos mensais junto a Previdência Social. Para tanto, são considerados segurados do INSS, os trabalhadores avulsos, empregados domésticos, contribuintes individuais, segurado especial e facultativo, além dos trabalhadores empregados.

É obrigatório que seja preenchido o requisito qualidade de segurado, vez que parte deste fator o dever do INSS conceder aos dependentes a pensão por morte.

Sabe quem tem direito a pensão por morte?

As pessoas que têm direitos à pensão por morte, são os dependentes do falecido, nos termos do artigo 16, da Lei 8.213/1991:

I – o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave;

II – os pais;

III – o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave;

Importante destacar que o enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho mediante declaração do segurado e desde que comprovada a dependência econômica nos termos da Lei.

Após cumprirem a primeira exigência qualidade de segurado do falecido, os dependentes deverão cumprir os seguintes requisitos:

Cônjuge: comprovar era casado (a) com falecido (a) na data do óbito;

Companheiro (a): comprovar união estável há mais de 02 (dois) anos com falecido (a) a contar da data do óbito;

Filhos e Equiparados: ser menor de 21 (vinte e um) anos de idade, salvo motivos de invalidez ou com deficiência;

Pais: necessário comprovar dependência econômica;

Irmãos: necessário comprovar dependência econômica e ser menor de 21 (vinte e um) anos de idade, a não ser que seja inválido ou com deficiência.

Frisa-se que existem durações limites relacionadas aos pagamentos da pensão alimentícia aos dependentes:

Menores de 21 anos de idade – prazo de 03 (três) anos;

Entre 21 e 26 anos de idade – prazo de 06 (seis) anos);

Entre 27 e 29 anos de idade – prazo de 10 (dez) anos;

Entre 30 e 40 anos de idade – prazo de 15 (quinze) anos;

Entre 41 e 43 anos de idade – prazo de 20 (vinte) anos;

A partir de 44 anos de idade – prazo Vitalício (para a vida toda)

No mais, cumpre esclarecer que em casos de dúvidas, procure o Jurídico de sua confiança, para que possa ser esclarecido de forma detalhada os tramites, procedimentos e documentos necessários para análise e, consequentemente pedidos para a concessão dos benefícios pensão por morte.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

Negócio Imobiliário Seguro

Não são raras as situações em que alguém que esteja adquirindo um imóvel, seja urbano ou rural, procure um advogado de sua confiança para assessorá-lo

Envie sua Dúvida