fbpx

“Holding familiar”: redução de tributos e custos para uma eficaz gestão e perpetuação do patrimônio pessoal

holding familiar blog

Finitude. Característica de um ente limitado no tempo e/ou no espaço. Ao ser humano, a qualidade da mortalidade. A morte, para os seres vivos, é inevitável. Certamente, durante a vida, por conta do evento futuro e certo que é a morte, os maiores objetivos do ser humano são perpetuar sua espécie e deixar um legado para as próximas gerações, feitos de cunho patrimonial, técnico-científico, cultural ou histórico para a humanidade, de modo a se tornar perene e imortalizar, assim, ao menos na mente e na história, sua imagem.

No direito, de mesmo modo, a pessoa natural (o ser humano) tem limite de espaço e tempo. Nasce, vive e morre. Durante a vida, normalmente ela estuda, se prepara e adentra no mercado de trabalho, constitui família e, num determinado momento, falece. Cada acontecimento que a envolve ou fato praticado por ela (nascer, casar, divorciar, comprar, vender, morrer, por exemplo) constitui um ato ou negócio no mundo jurídico, surgindo daí inúmeras consequências que certamente influenciarão o ambiente e, especialmente, a vida das pessoas e familiares envoltos. As implicações advindas do falecimento de uma pessoa podem ser das mais variadas, esperadas ou não, boas ou ruins, dependendo do planejamento realizado (ou não) durante a vida.

Infinidade. Em contraponto à pessoa natural, o direito criou a figura da pessoa jurídica, um ente fictício, mas que tem existência social própria e discernida na coletividade (um exemplo: as pessoas jurídicas Apple e Coca-Cola existem de fato ou na ideia das pessoas? São palpáveis?). A pessoa jurídica existe e sua personalidade não se confunde com a dos seus sócios, associados, instituidores ou administradores. Possui autonomia financeira, administrativa, patrimônio próprio e distinto daqueles. Ela pode ser constituída com a característica da imortalidade, ou seja, existir por prazo indeterminado. Desse modo, as pessoas jurídicas sobrevivem às pessoas naturais que a compõem e não se extinguem com a morte de seus componentes, de modo a perdurar, teoricamente, infinitamente.

De tudo que vimos, então, uma forma eficiente de se alcançar a perpetuação do legado de uma pessoa, familiares ou conjunto de pessoas é com a constituição de uma ou mais pessoas jurídicas, concentrando todo o seu patrimônio nesses entes, sob a forma de sociedades empresárias (limitada, anônima, EIRELI).

Com a modernização e a complexidade do mundo globalizado, a informatização e evolução da tecnologia nas relações comerciais, sociais e econômicas, com a necessidade de celeridade, eficiência e gestão dos negócios na contemporaneidade, inúmeras novas formas de administrar negócios no mercado vem surgindo, tornando cada vez mais complexas as relações jurídicas e empresariais.

Nesse novo cenário, para que cada pessoa consiga manter e aumentar seu patrimônio, diminuindo custos e blindando seus bens e da família, imprescindível que haja uma forma eficiente de gestão.

A partir daqui, entra o conceito de “holding familiar”.

A expressão “holding” é oriunda do verbo inglês “to hold” e significa controlar, segurar, guardar, manter. Pode-se dizer que uma empresa “holding” busca centralizar o controle sobre empresas subsidiárias, das quais detém a maioria do capital social (das quotas ou ações).

Nas “holdings familiares”, o objetivo é de alocar, gerir e centralizar o patrimônio pessoal ou familiar através da constituição de uma sociedade empresarial para tais fins, de modo a, principalmente, profissionalizar e fazer uma gestão empresarial, jurídica, administrativa, econômica e tributária de bens diversos (imóveis, móveis, veículos, aplicações financeiras) que podem ser até mesmo incorporados à pessoa jurídica quando de sua criação, transferidos dos sócios pessoas físicas (ou até jurídicas).

Assim, também é possível fazer um planejamento sucessório sério e sem futuras surpresas, distribuindo-se desde a constituição da “holding familiar” as quotas que cada herdeiro teria direito, com diminuição considerável de riscos, brigas entre os familiares e demandas judiciais, além de mitigar consideravelmente o pagamento de tributos, através de um planejamento jurídico e tributário eficiente.

Às pessoas, famílias ou grupos de famílias com considerável monta de patrimônio, é extremamente indicado que se constitua uma “holding familiar”, através de uma empresa ou conjunto delas, cada uma com uma finalidade.

As vantagens da Holding Familiar:

Manutenção, crescimento, centralização e gestão mais eficiente do patrimônio familiar, com vistas à perpetuação por período indeterminado dos bens, de forma conjunta, sem que haja uma divisão do patrimônio com o falecimento dos sócios;

Planejamento tributário, com diminuição de pagamento de impostos, escolha do melhor regime tributário para cada perfil familiar, com significativa economia fiscal quando da incorporação, compra, transferência, doação e gestão de bens imóveis, móveis, aplicações financeiras, em comparação às mesmas situações das pessoas físicas, diante de alíquotas mais baixas;

Planejamento sucessório e blindagem do patrimônio familiar: os herdeiros já poderão compor a “holding familiar” desde sua constituição, cada um tendo sua respectiva quota e equivalente à fração de sua herança. Com o falecimento de algum membro, haverá severa diminuição de custos com inventário e pagamento de ITCMD. Os membros familiares podem, simplesmente, transferir quotas entre uns e outros, por exemplo;

Planejamento do Imposto de Renda das pessoas físicas que compõem a “holding familiar”: Facilitação e economia no pagamento de imposto de renda dos sócios da “holding”, através de distribuição de lucros e dividendos sem tributação ou ganho de capital com alíquota menor que a de pessoa física, declaração mais simples e não incidência de ITBI em situação de integralização de capital com bens e direitos, por exemplo.

Concluímos que a criação de uma “holding familiar” é extremamente interessante na atualidade para a maioria das pessoas, principalmente para as famílias que possuem patrimônio econômico considerável, pois há inúmeras vantagens de ordem fiscal, sucessória e societária que devem ser analisadas através de uma assessoria jurídica, com vistas ao aumento e perpetuação dos bens e uma gestão mais eficaz do patrimônio familiar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

bancos digitais

Bancos digitais: solução ou problema?

A era digital está instalada e isso dispensa maiores esclarecimentos. Comércio eletrônico, marketplaces, contratos digitais, blockchain, tudo está “online” e nessa “onda” passaram a proliferar

detetive particular

Lei da Profissão de Detetive Particular

Você já se viu na necessidade de realizar uma investigação particular? Estar na situação de não ter conhecimento técnico para descobrir informações, com recusa de

Envie sua Dúvida

Envie seu Comentário