fbpx

Posso demitir um funcionário durante a pandemia?

É fato que hoje vivemos uma situação que foge da habitualidade, muitas vezes tendo que adaptar nossas rotinas à nova realidade; dentre as situações retratadas, surgiu as regras trabalhistas possibilitando acordos entre Empregador e Empregados com maior flexibilização para redução da jornada de trabalho ou suspensão o contrato de trabalho, como se vê da Lei nº 11.020/2020, e prorrogação constante do Decreto nº 10.422/2020.

As regras contidas na lei é uma forma que confere para as partes maior autonomia e liberdade na contratação existente ou nova, entretanto, não pode ser tomada ou realizada indiscriminadamente, pois, a faculdade ainda obriga as partes a condições de sua realização, desde a sua formalização.

Neste contexto, caso não seja mais a vontade das partes a manutenção da relação, a lei não obriga continuarem permitindo a demissão, entretanto, condiciona a extinção a indenizações pela opção adotada, no caso, para suspensão do contrato ou para redução de jornada de trabalho, sem prejuízo das regras e verbas devidas costumeiramente pagas.

Sendo assim, haverá as seguintes situações para a rescisão do contrato de trabalho:

1) Na suspensão do contrato:

Haverá multa (pagamento) de 100% sobre os meses faltantes pactuadas na suspensão, e será acrescido do igual prazo pela estabilidade que o funcionário teria.

Exemplo: Um funcionário com contrato suspensão de 90 dias, se demitido nos 45 dias, terá o direito a indenização da diferença para o termo concedido de 90, ou seja, 45 dias, além do período de estabilidade que a lei confere por igual ao prazo de suspensão, outrossim, de 90 dias.

 2) Na redução de jornada de trabalho:

Possui uma regra mais acentuada, condicionando a indenização em casos específicos para a dispensa sem justa causa durante o período de garantia:

I – 50% (cinquenta por cento) do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a 25% (vinte e cinco por cento) e inferior a 50% (cinquenta por cento);

II – 75% (setenta e cinco por cento) do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a 50% (cinquenta por cento) e inferior a 70% (setenta por cento); ou

III – 100% (cem por cento) do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, nas hipóteses de redução de jornada de trabalho e de salário em percentual igual ou superior a 70% (setenta por cento) ou de suspensão temporária do contrato de trabalho.

É necessário deixar claro que toda rescisão deve ser realizada respeitando as atuais regras, portanto, em caso de dúvida sempre procure um profissional de confiança para uma operação mais segura e transparente, reduzindo a possibilidade de uma futura ação reclamatória trabalhista, no qual a Equipe MOSP possui uma equipe preparada para atender as suas necessidades.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

bancos digitais

Bancos digitais: solução ou problema?

A era digital está instalada e isso dispensa maiores esclarecimentos. Comércio eletrônico, marketplaces, contratos digitais, blockchain, tudo está “online” e nessa “onda” passaram a proliferar

detetive particular

Lei da Profissão de Detetive Particular

Você já se viu na necessidade de realizar uma investigação particular? Estar na situação de não ter conhecimento técnico para descobrir informações, com recusa de

Envie sua Dúvida

Envie seu Comentário