fbpx

Auxílio emergencial: entenda os critérios e regras para receber

Em razão da pandemia causada pelo COVID-19, bem como a sua repercussão no cenário econômico brasileiro, ficou estabelecido pelo Governo a concessão de AUXÍLIO EMERGENCIAL no valor de R$600,00 (seiscentos reais), pelo período de 03 (três) meses, podendo o referido auxílio ser prorrogado, uma vez que não se sabe por quanto tempo poderá durar o estado de calamidade pública, para o trabalhador que cumprir cumulativamente os seguintes requisitos:

  1. Seja maior de 18 (dezoito) anos de idade;
  2.  Não tenha emprego formal ativo;
  3.  Não seja titular de benefício previdenciário ou assistencial, ou beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvados, os beneficiários do Bolsa Família;
  4. Cuja renda familiar (soma de todos os rendimentos brutos auferidos por todos os membros da unidade familiar/todos os moradores em um mesmo domicílio) mensal per capita, seja de até 1/2 (meio) salário-mínimo ou a renda familiar mensal total seja de até 03 salários mínimos;
  5. Que, no ano de 2018, não tenha recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70;
  6. E que exerça atividade na condição de:
    – Microempreendedor individual (MEI);
    – Contribuinte Individual do Regime Geral de Previdência Social;
    – Trabalhador informal, seja empregado, autônomo ou desempregado, de qualquer natureza, inclusive o intermitente inativo, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – CadÚnico até 20 de março de 2020. Caso o trabalhador não esteja cadastrado no CadÚnico, poderá o mesmo realizar a autodeclaração que será realizado em plataforma digital;
    – Ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

Importante destacar que o recebimento do auxílio emergencial, está limitado ao número de 02 membros da família, e que o mesmo substituirá o Benefício do Bolsa Família de ofício em situações em que for mais vantajoso para o beneficiário.

Outra situação prevista é para a mulher provedora de família monoparental, sendo que neste caso, a mesma receberá 02 cotas do auxílio, ou seja, ele será de R$1.200,00.

O auxílio emergencial será operacionalizado e inclusive pago, por instituições financeiras públicas federais, que ficaram autorizadas a realizar seu pagamento por meio de conta tipo poupança social digital, de abertura automática em nome dos seus beneficiários.

A referida conta dispensa a apresentação de documentos, está isenta de tarifas de manutenção (devendo ser observada a regulamentação específica estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, onde o beneficiário pode realizar pelo menos 01 transferência eletrônica de valores ao mês, sem custos para outra conta, desde que esta seja mantida por qualquer instituição financeira habilitada a operar pelo Banco Central do Brasil.

Diante do narrado, verificamos que o Governo brasileiro visa com o auxílio-emergencial a proteção social dos menos favorecidos, tendo em vista que são estes os mais afetados, sendo que tal medida deve ser vista como fundamental e de extrema importância para o enfrentamento da emergência causada pelo surto do Covid-19.

COVID-19 e INSS: Antecipação do BPC (Benefício de Prestação Continuada) e Auxílio Doença

De igual modo, em razão da pandemia causada pelo Covid-19 o Governo brasileiro autorizou o Instituto Nacional da Seguridade Social-INSS, a antecipar o valor de R$600,00 (seiscentos reais) também para os requerentes do Benefício de Prestação Continuada – BPC, durante o período de 03 meses, a contar da publicação da Lei nº 13.982, de 02 de abril de 2020, ou até a aplicação do INSS do instrumento de avaliação da pessoa com deficiência, ou seja, o que ocorrer primeiro.

Assim, após o reconhecimento do direito da pessoa com deficiência ou idoso ao BPC, seu valor será devido a partir da data em que o requerimento for efetuado, todavia serão deduzidos os pagamentos que forem realizados desta forma.

Outra grande novidade, é que o INSS ficou autorizado a antecipar 01 salário-mínimo mensal aos requerentes do benefício auxílio-doença durante o período de 03 meses, a contar da publicação da referida Lei, ou até a realização da perícia médica, o que ocorrer primeiro.

Todavia, é de suma importância ressaltar que a antecipação apenas ocorrerá se o beneficiário tiver o cumprimento da carência exigida para concessão do benefício de auxílio-doença, bem como deverá o mesmo apresentar atestado médico que será analisado pelo INSS. Nestes dois casos, verificamos que a intenção é proteger as pessoas que também se encontram em estado de vulnerabilidade diante do surto causado pelo Covid-19.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

bancos digitais

Bancos digitais: solução ou problema?

A era digital está instalada e isso dispensa maiores esclarecimentos. Comércio eletrônico, marketplaces, contratos digitais, blockchain, tudo está “online” e nessa “onda” passaram a proliferar

detetive particular

Lei da Profissão de Detetive Particular

Você já se viu na necessidade de realizar uma investigação particular? Estar na situação de não ter conhecimento técnico para descobrir informações, com recusa de

Envie sua Dúvida

Envie seu Comentário