fbpx

Empregador: saiba como diminuir seu prejuízo ao celebrar o Contrato de Experiência

contrato de experiência

De início vamos conceituar o Contrato de Experiência como sendo uma modalidade do contrato por prazo determinado, cuja finalidade é a de verificar se o pretenso Empregado tem aptidão para exercer a função para a qual será contratado definitivamente.

Seu prazo máximo de duração é de 90 (noventa) dias e pode ser prorrogado por uma única vez, segundo os artigos 445, parágrafo único e 451 da CLT, respectivamente.

Então, conforme dito se estamos diante de uma modalidade contratual que possibilita ao Empregador conhecer as habilidades e o perfil do candidato ao emprego, em contrapartida não seria justo que se desde o seu início verificar a inaptidão do contratado, que a rescisão antecipada do contrato de experiência lhe trouxesse prejuízos.

Verificamos que costumeiramente os empregadores celebram esse tipo de contrato por 45 dias + 45 ou 60 + 30.

E então segue a pergunta: isso faz diferença?

Financeiramente sim porque se o contrato de experiência num primeiro período tiver como período inicial mais de 30 dias, em hipótese de rescisão o Empregador terá que pagar além do saldo de salário, 1/12 de férias e 13º salário proporcional.

Então uma das possibilidades seria a celebração do contrato de experiência por 14 dias + 76, e nesse caso a rescisão importaria no pagamento de saldo de salário. Ou a celebração do contrato por 44 dias + 46, o que resultaria no pagamento de 1/12 avos de férias + 13º salário proporcional.

Isso porque se o primeiro período do contrato for de 45 dias, e resultar em extinção, o pagamento será de 2/12 avos das parcelas devidas.

Assim, atente-se Empregador na melhor política a ser adotada em sua empresa na celebração dos contratos de experiência visando o melhor custo benefício para o seu empreendimento. 

Algo mudou com o Estado de Calamidade?

 Nesse período de enfrentamento do estado de calamidade pública dentre tantas medidas que vêm sendo tomadas e em análise dos artigos que propõem alterações damos destaques aos seus efeitos no cotidiano das empresas no caso que vamos abordar.

A MP 936, em seu artigo 17, inciso III traz a precisão de redução pela metade dos prazos previstos no Título VI da Consolidação das Leis do Trabalho.

E o que traz esse Título VI?

Revista a extinção do PIS-PASEP instituído pela Lei Complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, e a transferência de seu patrimônio para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, regido pela Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990.

No entanto, nos termos do parágrafo único deste artigo o patrimônio acumulado nas contas individuais dos participantes do Fundo PIS-Pasep, de que trata o art. 239 da Constituição, fica preservado.

E, com relação ao saque do FGTS a medida prevê a possibilidade, no seu artigo 6º, aos titulares de conta vinculada do FGTS, a partir de 15 de junho de 2020 e até 31 de dezembro de 2020, o saque de recursos até o limite de R$ 1.045,00 (mil e quarenta e cinco reais) por trabalhador.

– Fique atento:

1) As contas vinculadas individuais dos participantes do Fundo PIS-Pasep, mantidas pelo FGTS após a transferência de que trata o art. 2º da MP, passam a ser remuneradas pelos mesmos critérios aplicáveis às contas vinculadas do FGTS e poderão ser livremente movimentadas, a qualquer tempo,

Lembrete: a partir de 15 de junho de 2020 e até 31 de dezembro de 2020!

2) Os recursos remanescentes nas contas de que trata o caput do art. 3º (contas vinculadas individuais dos participantes do Fundo PIS-Pasep), da MP serão tidos por abandonados a partir de 1º de junho de 2025, e passarão à propriedade da União;

Então verifique se sua conta ainda está ativa e efetue seu saque!

3) Havendo encerramento da conta dos participantes do fundo PIS-Pasep s solicitações de saque de contas vinculadas do FGTS realizadas pelo trabalhador ou por seus dependentes ou beneficiários também incluirão o saque dos valores das contas vinculadas individuais de origem PIS (trabalhadores da iniciativa privada) ou Pasep (servidores públicos) mantidas em nome do mesmo trabalhador;

4) Na hipótese de o titular possuir mais de uma conta vinculada, o saque de que trata o caput será feito primeiramente nas contas vinculadas relativas a contratos de trabalho extintos, com início pela conta que tiver o menor saldo e nas demais contas vinculadas, com início pela conta que tiver o menor saldo (artigo 6, parágrafo 1º, incisos I e II);

5) Os saques serão efetuados conforme cronograma de atendimento, critérios e forma estabelecidos pela Caixa Econômica Federal, permitido o crédito automático para conta de depósitos de poupança de titularidade do trabalhador previamente aberta na nessa instituição financeira, desde que o trabalhador não se manifeste negativamente, ou o crédito em conta bancária de qualquer instituição financeira, indicada pelo trabalhador, desde que seja de sua titularidade (Art. 6º, inciso II, § 5º).;

Fique atento: A transferência para outra instituição financeira não poderá acarretar cobrança de tarifa pela instituição financeira (Art. 6º, inciso II, § 5º).

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

bancos digitais

Bancos digitais: solução ou problema?

A era digital está instalada e isso dispensa maiores esclarecimentos. Comércio eletrônico, marketplaces, contratos digitais, blockchain, tudo está “online” e nessa “onda” passaram a proliferar

detetive particular

Lei da Profissão de Detetive Particular

Você já se viu na necessidade de realizar uma investigação particular? Estar na situação de não ter conhecimento técnico para descobrir informações, com recusa de

Envie sua Dúvida

Envie seu Comentário