fbpx

Novas definições para reembolso de passagens aéreas de voos cancelados na pandemia

reembolso de passagens aéreas

Como é de conhecimento de muitos brasileiros, em 05 de agosto de 2020 foi editada a Lei nº 14.034/2020, que dispõe sobre medidas emergenciais para a aviação civil brasileira em razão da pandemia da Covid-19; e altera as Leis de números 7.565, de 19 de dezembro de 1986, 6.009, de 26 de dezembro de 1973, 12.462, de 4 de agosto de 2011, 13.319, de 25 de julho de 2016, 13.499, de 26 de outubro de 2017, e 9.825, de 23 de agosto de 1999.

A finalidade da Lei 14.034/2020 é a de garantir aos consumidores o reembolso integral de passagens aéreas de voos cancelados durante o período de pandemia da Covid-19.

Com o período pandêmico, e o gradativo aumento em casos de contaminados pela Covid-19, foi editada a MP 1024/2020, que traz em seu artigo terceiro, novo prazo para reembolso das passagens aéreas que tiverem voos cancelados.

Veja o que disciplina a nova redação dada pela Medida Provisória nº 1.024/2020:

“Art. 3º. O reembolso do valor da passagem aérea devido ao consumidor por cancelamento de voo no período compreendido entre 19 de março de 2020 e 31 de outubro de 2021 será realizado pelo transportador no prazo de 12 (doze) meses, contado da data do voo cancelado, observadas a atualização monetária calculada com base no INPC e, quando cabível, a prestação de assistência material, nos termos da regulamentação vigente.     

O consumidor deve se atentar as datas mencionadas acima, para que não ocorra eventual perda e consequentemente não tenha o direito ao reembolso de passagens aéreas sobre voos cancelados em razão do estado de pandemia que acomete o mundo.

Importante destacar, que caso o consumidor prefira substituir o reembolso conforme acima mencionado, poderá ser concedido pelo transportador, crédito de valor maior ou igual ao da passagem, para aquisição de produtos ou serviços, a serem utilizados pelo próprio consumidor, ou caso prefira, poderá indicar outro interessado.

Essa regra está no parágrafo primeiro (§1º) da Lei, 14.034/2020.

“§ 1º Em substituição ao reembolso na forma prevista no caput deste artigo, poderá ser concedida ao consumidor a opção de receber crédito de valor maior ou igual ao da passagem aérea, a ser utilizado, em nome próprio ou de terceiro, para a aquisição de produtos ou serviços oferecidos pelo transportador, em até 18 (dezoito) meses, contados de seu recebimento.”

Outro ponto de destaque na MP 1.024/2020, é que caso o consumidor desista do voo, nos períodos abaixo descritos, poderá, optar por receber o reembolso, conforme já mencionado acima, porém, importante destacar que poderá ter que realizar eventuais pagamentos por penalidades contratuais. No entanto, caso o consumidor opte por obter crédito, conforme mencionado e transcrito no artigo terceiro, não haverá incidência de penalidades contratuais.

“§ 3º O consumidor que desistir de voo com data de início no período entre 19 de março de 2020 e 31 de outubro de 2021 poderá optar por receber reembolso, na forma e no prazo previstos no caput deste artigo, sujeito ao pagamento de eventuais penalidades contratuais, ou por obter crédito de valor correspondente ao da passagem aérea, sem incidência de quaisquer penalidades contratuais, o qual poderá ser utilizado na forma do § 1º deste artigo.”

Novamente, enfatizamos que o consumidor deve se atentar as datas e prazos mencionados acima, para que não ocorra eventual perda e consequentemente não tenha o direito ao reembolso ou serviços decorrentes de passagens aéreas que tiveram seus voos cancelados em razão do estado de pandemia que acomete o mundo.

Essa foi mais uma dica para você consumidor estar atento aos seus direitos.

Fonte: Planalto

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Mais publicações

Negócio Imobiliário Seguro

Não são raras as situações em que alguém que esteja adquirindo um imóvel, seja urbano ou rural, procure um advogado de sua confiança para assessorá-lo

Envie sua Dúvida